Delicia de bacon

Tudo com bacon é bom ,acho que bacon é vida!

Omelete com bacon

Pânine com bacon

Maionese de abacate com bacon

queijo de kefir com bacon

Pão de amêndoas com bacon

Pizza de massa de peito de frango com bacon

Caldo verde com bacon

Xis salada com bacon( sem o pão)

Bacon com bacon32592863_1897669830264354_2878946660459741184_o via Daniela Vicente Lázaro

Vencendo a compulsão

Com a dieta low carb ,fui percebendo que a minha compulsão por comida foi diminuindo…Claro ,também tomo muitas medicações ,mas neste caso específico ,não dou crédito a elas.

Durante todo o dia ,me via com desejos por diversas comidas ,seja doce ou salgada.Na low carb ,não conto quantidade ,prezo qualidade! Nada daquele bifinho magrinho ,do tamanho da palma da mão ,com muita salada de alface recomendada pelo nutri(nada contra o profissional),mas ainda prefiro minha boa picanha maturada,na quantidade que meu desejo permitir.

Comer a cada três horas…nossa ,desprogramei meu cérebro ,meu estomago recebe alimento quando sente fome ,fome de verdade,e com alimento bom.

Assim ,nada de ficar contando as horas e comendo aquelas porçõezinhas minúsculas de três bolachinhas integrais,com ricota e um chazinho com adoçante 100% sucarolose,eca!

Sabe o que percebi…que contar calorias ,medir porçõezinhas e comer aqueles biscoitinhos insonsos me deixavam com mais compulsão ainda!

Vamos de pânine com bacon que eu perco mais…peso!!!!

*imagem reproduzida

FB_IMG_1525007179170 - Copia

Boderline

IMG-20170820-WA0003Alguns dos sintomas border ,me acompanharam por toda vida ,mas eram facilmente confundidos com birra infantil ,depois hormônios da adolescência e na fase mais adulta ,eu até já me alto caracterizava ,como uma pessoa de personalidade dificil.

Vivia numa montanha russa de emoções (verbo viver no presente),era uma pessoa sociável ,mas também me isolava sem explicação ,perdia facilmente o interesse ,da mesma forma que demonstrava um interesse quase obsessivo em coisas simples .

Um apego desesperador em pessoas específicas e um medo profundo de perder essa pessoa.

Toda e qualquer tarefa exigia de mim uma total devoção e caso fosse frustrada não sabia lidar .

Sentia medo ,muito medo ,parecia sempre estar sozinha no universo…e ele parecia tão grande!

Quando eu pensava na morte ,ela não me parecia uma coisa ruim,era quase que …desejável,atrativo.

Agia por impulso ,não tinha muito ou nenhum controle sobre isso,sempre com uma sensação de ser inútil ,descartável.

Não sei o que veio primeiro ,o ovo ou a galinha,só sei que em algum momento descobri que me alto mutilar me fazia bem,me dava uma sensação de controle.Então aos 39 anos ,junto com a depressão e tag ,comecei o processo de alto mutilação.

O vazio e a dor profunda que assolava o âmago do meu ser era desviado para uma coisa mais palpável ,visível,eu podia ver e sentir onde estava sangrando e isto me dava alívio ,era como poder respirar.

As pessoas não gostam disso ,meus médicos não gostam ,não acham saudável.Não entendo o porque ,não machuco as pessoas ,nem quero ,firo apenas a mim mesma,uma forma paleativa de diminuir a dor e ter controle sobre a mente.

Quando uma pessoa está ,ansiosa ,em uma fila de espera ,por exemplo ,normalmente ela faz gestos como ,balançar os pés ,estalar os dedos ,passar a mão nos cabelos…bem eu começo a passar o canto da unha na pele até sangrar,nem percebo…há ,mas as pessoas percebem ,me olham de forma estranha,uns perguntam se preciso de ajuda! Só então eu olho e percebo o que estou fazendo,não sei se sinto vergonha ,acho que não,mas não gosto dos olhares.

Tomo medicação própria para isso,mas o que me ajuda mesmo é a terapia com psicóloga,ela me ensina a desviar a mente ,sair de situações de estresse ,por mínima que ela seja.Então desde que eu perceba que estou me ferindo ,eu consigo parar.

Antes eu fazia muito isso para dormir ,hoje não faço mais.

Tenho pensamentos estranhos com relação a morte ,não gosto da frase “pensamento suicida”,mas saber que o botão da vida pode ser desligado a qualquer momento e todo sofrimento ir embora ,me faz bem.Mais uma forma de controle,de ser dona da situação e interromper por vontade própria.

Calma pessoal ,eu estou aqui,tenho amigos ,família e profissionais excelentes que me ajudam,além das doses diárias de alegria (medicamentos)

Com a terapia eu consigo ficar na beira do penhasco de emoções ,mas não pular dele!

Antes de conhecer low carb

Café da manhã: 2 cacetinhos com mortadela e maionese.
2 copos duplos de leite MUITO doce
Almoço: Muito arroz branco , acompanhado de:
Chuleta no mínimo três
Linguiça Toscana com salada de tomate e cebola
Massa com galinha
Arroz com ovo
Arroz com calabresa acebolada
Arroz com carne de porco frita
Arroz com costela bovina assada
Parte da tarde: Sorvete com bolo tipo Ana Maria
Mousse de maracujá
Doce de leite tipo mu mu com creme de leite
Brigadeiro
Dois litros de refrigerante diários.
Lanche da tarde : repete o café da manhã
Jantar: repete se o almoço
Ceia: xis ,pizza ou pão com alguma coisa dentro
Madrugada : Mais refrigerante ou qualquer outra coisa comestível!
Também estava incluído na minha alimentação: leite em pó na colher ,bolo de caixinha com muita cobertura, chocolate ao leite , paçoquinha .
Estes eram meus alimentos diários semanais
Resultados: 138.900 kg
Idade 41 anos
Dietas malucas : nem vou comentar!
Funcionavam: sim
Grau de sofrimento: insuportável
Perca de peso: Por três vezes ,perdi 15 kg
Efeito sanfona: Por três vezes engordei os 15 kg com alguns a mais
Duração das dietas: cerca de três meses
Shakes : sim
Perdi peso : não
Perdi dinheiro:$3600,00
Consumo mensal de alimentos em dinheiro: cerca de 1.400 reais mês ( moro sozinha)
Remédios para depressão , insônia ansiedade e hipertensão: cerca de $1200,00 mês.
Low carb:
Café da manhã : ovos mexidos com bacon ( me sinto tão americana) cafe com adoçado com 100% stevia
Panqueca de queijo
Panini
Yogurte de Kefir
Atualmente não tenho mais fome pela manhã ,então não tomo mais café matinal,apenas o Kefir
Almoço: muito verde( descobri que amo) pouco legume ,carne diversas , normalmente assada ,ou frita na própria gordura.
Muita água ( antes eu tomava apenas refrigerante)
Exercícios: nenhum
Resultado: 42 off em pouco mais de 5 meses
Grau de sofrimento: nenhum
Gasto mensal: cerca de 600 reais ou menos.
Medicamento: apenas os antidepressivos,e remédios para dormir.

1-Exames regulares ; ok

2-Depressão; ok

3-TAG; ok

4-Boderline; ok

Obs:itens 2,3 e 4 não deveriam estar “ok”,mas isso é outra história.

Jacadas : a princípio várias, atualmente ,quase nunca e quando acontece não me recrimino
Substituição ou receitinha: nenhuma
Nestas duas etapas da minha vida ,qual estava sendo nociva a minha saúde? Desculpa médico do bem estar”vai se fuder”!
Meta final : estabilidade física e emocional ,seguir estilo de vida low carb!
Glauci: 41anos ,1 ano de low carb ,42 kilos off.
Obs: estagnado em cinco meses ,apenas perco medidas ,mas isso não me preocupa.

Forte por muito tempo

Sabe aquela menina que se jogou do sexto andar de um condomínio? Quem sabe do homem que pintou a parede da casa com o próprio cérebro após deixar um vídeo de despedida para os amigos? Talvez de algum vizinho com uma marca de vinte centímetros nos braços? Não?
Essas pessoas enfrentam uma guerra interna difícil de descrever.
Imagine você dentro da porra de um avião caindo. Só que esse avião está caindo 24 horas por dia, durante meses, anos e então o tempo inteiro você passa pelo processo de ir da adrenalina e medo extremo, passando pelo processo de fuga, negação e aceitação em um “loop” dramático e repetitivo. A diferença é que não tem merda de avião nenhum.
E depois de uns seis hospitais, quinze médicos, quarenta exames, finalmente descobre que as dores intensas no corpo, a falta de ar, a apatia, a vontade de não sair da cama é o caralho de um parasita psicológico impregnado na mente como células de um câncer.
Então você, apesar de toda dor, estuda, trabalha, dá uma risada aqui ou ali enquanto não inicia o tratamento.
Vamos supor que você seja o diferentão e aceitou sem resistência a idéia de que a depressão e/ou ansiedade está te comendo por dentro e gerando todos aqueles sintomas físicos que parecem com as de doenças mortais e infartos. Supondo essa bobagem, então há de se ir fazer terapia e tentar traduzir a imensidão do abismo para um estranho e se sentir a vontade com isso. Talvez te mandem apenas tomar remédios, talvez os dois ao mesmo tempo.
Vou te falar algo sobre os remédios. Antes sua rotina e sensação de que todos ao redor eram idiotas parecia pesada e sem sentido e sempre tinha que se esforçar duas vezes mais para o render o mínimo. Pois é. Agora você ganhou com os remedinhos uma dose de bem estar, na melhor das hipóteses. Isso quando simplesmente você não se torna oco. Então terá que trabalhar, estudar, manter relacionamentos com a sensação de lentidão constante, falta de concentração, raciocínio dificultoso, sono, irritação.
Ah sim, quando você melhora e tentam tirar as alegrias medicamentosas, assim como qualquer drogado , a fase de abstinência te joga num abismo, no buraco sem fundo da mente.
Vão cobrar que você seja forte. Vão te cobrar muitas coisas.
Perderá amigos, amores, empregos, a capacidade de ter prazer com coisas simples.
E então um dia, quando se esgotarem todas as forças, e a vontade de não sentir dor for maior que a vontade de viver, após sua morte seu linchamento moral será implacável. Ninguém vai querer saber que você já nasceu com dificuldade de produzir hormônios de bem estar, ou que traumas tenham desenvolvido gatilhos , ou que abusos emocionais e profissionais seguidos tenham empurrado sua carcaça para uma escolha aterradora e sem volta.
Essa imagem é da minha dose matinal que tem me mantido funcional e ajudado na luta contra depressão,TAG, borderline .
Mas muitos já estão no limite, ultrapassaram a barreira da vontade de lutar, e jamais devem ser julgados por isso.
Não precisa ser um poço de sensibilidade, só tentar ser gentil as vezes, ter empatia, não negar a mão, dez minutos de atenção.

“Minha alegria compro em cápsulas. Eu sei, na teoria adio toda dor.
Sem condições de saber o pouco que se deve pra conseguir perceber quando é bom partir”

.