Forte por muito tempo

Sabe aquela menina que se jogou do sexto andar de um condomínio? Quem sabe do homem que pintou a parede da casa com o próprio cérebro após deixar um vídeo de despedida para os amigos? Talvez de algum vizinho com uma marca de vinte centímetros nos braços? Não?
Essas pessoas enfrentam uma guerra interna difícil de descrever.
Imagine você dentro da porra de um avião caindo. Só que esse avião está caindo 24 horas por dia, durante meses, anos e então o tempo inteiro você passa pelo processo de ir da adrenalina e medo extremo, passando pelo processo de fuga, negação e aceitação em um “loop” dramático e repetitivo. A diferença é que não tem merda de avião nenhum.
E depois de uns seis hospitais, quinze médicos, quarenta exames, finalmente descobre que as dores intensas no corpo, a falta de ar, a apatia, a vontade de não sair da cama é o caralho de um parasita psicológico impregnado na mente como células de um câncer.
Então você, apesar de toda dor, estuda, trabalha, dá uma risada aqui ou ali enquanto não inicia o tratamento.
Vamos supor que você seja o diferentão e aceitou sem resistência a idéia de que a depressão e/ou ansiedade está te comendo por dentro e gerando todos aqueles sintomas físicos que parecem com as de doenças mortais e infartos. Supondo essa bobagem, então há de se ir fazer terapia e tentar traduzir a imensidão do abismo para um estranho e se sentir a vontade com isso. Talvez te mandem apenas tomar remédios, talvez os dois ao mesmo tempo.
Vou te falar algo sobre os remédios. Antes sua rotina e sensação de que todos ao redor eram idiotas parecia pesada e sem sentido e sempre tinha que se esforçar duas vezes mais para o render o mínimo. Pois é. Agora você ganhou com os remedinhos uma dose de bem estar, na melhor das hipóteses. Isso quando simplesmente você não se torna oco. Então terá que trabalhar, estudar, manter relacionamentos com a sensação de lentidão constante, falta de concentração, raciocínio dificultoso, sono, irritação.
Ah sim, quando você melhora e tentam tirar as alegrias medicamentosas, assim como qualquer drogado , a fase de abstinência te joga num abismo, no buraco sem fundo da mente.
Vão cobrar que você seja forte. Vão te cobrar muitas coisas.
Perderá amigos, amores, empregos, a capacidade de ter prazer com coisas simples.
E então um dia, quando se esgotarem todas as forças, e a vontade de não sentir dor for maior que a vontade de viver, após sua morte seu linchamento moral será implacável. Ninguém vai querer saber que você já nasceu com dificuldade de produzir hormônios de bem estar, ou que traumas tenham desenvolvido gatilhos , ou que abusos emocionais e profissionais seguidos tenham empurrado sua carcaça para uma escolha aterradora e sem volta.
Essa imagem é da minha dose matinal que tem me mantido funcional e ajudado na luta contra depressão,TAG, borderline .
Mas muitos já estão no limite, ultrapassaram a barreira da vontade de lutar, e jamais devem ser julgados por isso.
Não precisa ser um poço de sensibilidade, só tentar ser gentil as vezes, ter empatia, não negar a mão, dez minutos de atenção.

“Minha alegria compro em cápsulas. Eu sei, na teoria adio toda dor.
Sem condições de saber o pouco que se deve pra conseguir perceber quando é bom partir”

.

Anúncios

Autor: Todadepressaoserabemvestida

Apenas alguém tentando ajudar....

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s